sábado, 3 de junho de 2017

Mexia




Mexia

Na minha educação,
S'eu, sem autorização, mexia,
Já o devolvia 
Com indemnização!

Er'a cultura 
Dos meus queridos pais,
Que hoje tais ideais 
Foram sol de pouca dura!

Com esta "elite"
De grandes exemplos,
Mal vão os tempos 
De quem disso se demite!

Não há moral
Na nossa política,
E tod'a essa classe é tipica 
A encher o bornal!

Ninguém se safa 
Desta carga "ideológica",
E a nação antropológica 
É rafa!

Esta eterna lição
De ineficiência, 
De incompetência 
E de corrupção!

E de "compadrio",
De eterno saque, 
E o mesmo destaque 
Num país sem brio...

Estes corruptos 
Ao serviço da causa pública,
Tomaram da República 
Tod'os redutos!

Este também queria 
O benfica campeão,
Porqu'a economia d'então
Subia!

É est'a razão
De crescimento,
Onde a electricidade tem aumento 
Num título de campeão!

E depois as casas 
É que estão mal construídas,
Porque foram erguidas 
Sem brasas!?

Esta escumalha 
Que nos governa,
Faz de Portugal baderna 
Em qualquer mortalha!

Este também deve ter recebido
A condecoração!
A todos o "Cavaquistão"
Lhes deu o merecido!

É só comendadores 
Aqui no burgo latino, 
E o povo que, pequenino, 
Não tem sequer lavradores...

É tudo da média classe,
Sem pescas e lavoura,
E nunca Portugal, como agora, 
Produziu que baste!!

Estamos entregues
A novo regime igual,
E onde tudo vai bem, algum mal
Nos chegará c'as neves...

A experiência deste bem-estar
É pura propaganda, 
Porque quem nisto manda 
O pode publicar!

Nenhum país é desenvolvido 
Numa autocracia, 
E numa maior macrocefalia 
De país encolhido!

Não há desenvolvimento
Sem descentralização,
E o país não é esta administração 
Numa cidade a cem por cento!!?

Portugal não é Lisboa,
E o resto não é paisagem!
É esta a linhagem 
Que nos destrói à toa!

São só uns milhões 
Dos nossos bancos depauperados, 
E os nossos impostos duplicados 
Já cobrem tais "tensões"...

Foi o quadro da electricidade 
Que não aguentou a voltagem!
E haja nisso coragem 
Pr'a lhes tirar a liberdade!

O povo precisa d'exemplos 
De prisões efectivas!!
Não essas decisões permissivas 
A novos adiamentos...

Bem sei o que são garantias 
De defesa!!
Mas quem o país lesa 
Ainda guarda regalias?

Ainda vai pr'os paraísos fiscais
Levar o resto dos bens!?
E nós ficamos reféns 
Deles não não nos levarem mais??

Agora que temos "tetra"
Podemos ter Justiça?
Se nem uma claque s'hostiliza, 
Leva-se a lei à letra?

Se temos o Estado dentro do Estado
E disso não se faz Direito, 
É agora qu'o país vai a direito 
Contr'o seu próprio legado!?

Uma coisa não apreendemos 
Com Salazar,
Esse, ao menos, não se fez pagar, 
Ao não ser por menos...

Na próxima factura da EDP
Já nos vão impor a taxa,
É pr'a se contrariar a queixa 
E a acusação do MP!

Mais uns milhões
Pr'as contas do Mexia;
Coitado, ele até nem queria 
As nossas contribuições!

Só ganha dois milhões/ano,
Coisa pouca!
E ele é um gestor que poupa 
No nosso gás butano!

Há muito que me "vendi"
Nisto ao espanhol!
Prefiro pagar-lhes a eles o "carcanhol"
Do qu'a este aqui!

Esta posição de domínio
D'ex-políticos em gestores,
É um dos mais corruptores 
Em tal escrutínio!

É est'a moral 
De gente "tão importante",
Qu'o país nunca será um gigante 
No seu tamanho ideal...

E a energia 
Será sempre um luxo!
Porqu'o português é um frouxo;
Carregue-se-lh'a bateria!!?...

Joker 

Enviar um comentário
>